terça-feira, 30 de outubro de 2012

Casada com meu melhor amigo.

Capitulo 3




Lua chegou ao restaurante onde havia combinado com Arthur, como costume ele a esperava sentado em uma mesa de fundo, perto da janela que tinha uma linda vista.
- Oi Aguiar. - cumprimentou-o com um beijo no rosto e logo se sentou.
- Oi Lua .. e mais uma vez sinto muito mesmo.
- Tudo bem, mas por favor, não vamos mais tocar nesse assunto?
- Como quiser.
Não demorou muito para uma garçonete dotada de um belo corpo cheio de curvas, cabelos castanhos sedosos amarrados em uma bela cola em cima da cabeça, e maquiagem leve, chegou e anotou os pedidos e se retirou.
- Huuum, fazia tempo que eu não vinha aqui mesmo. - disse com os olhos vidrados na garçonete.
- Arthur! - repreendeu-o - Não perde o jeito nunca, né? - riu.
- Não, mas querida Luh você que eu me lembre também não é nenhuma santa.
- E eu to dizendo que sou por acaso?
- Não .. mas enfim.
Mais rapidamente os pedidos chegaram e para lamentação de Arthur não foi a garçonete que os trazia, e sim um garçom dessa vez, magricelo de cabelos pretos e nada atraente.
- Ah, preferia a garçonete. - resmungou.
- Depois você vai e fala com ela, se aguente Homem.
- Sem Graça. - mudou rapidamente de assunto. - Mas me diz aconteceu alguma coisa?
- Como sabe?
- Sou teu melhor amigo Luh, te conheco muito bem. - explicou-se.
- É, aconteceu assim. - lamentou.
- O que? - perguntou dando uma garfada.
- Tenho que me casar em um mês se eu quiser ter minha herança.

- Nossa, não consigo te imaginar casada. - brincou.
- Nem eu .. mas eu vou ter que me casar.

- E quem vai ser o castigado? - zombou.
- Haha, muito engraçado.
- Tá falando sério, vai se casar com quem?
- Não sei, não to namorando nem nada.
- Hum ..
- E também tem que ser uma pessoa de confiança, por que qualquer outro se casaria por muito interesse.
- Isso é verdade, além de confiança, o que mais vossa excelência exige?
- Hum, tem que ser bonito não posso me casar com qualquer cruz credo né? De preferência saiba falar bem, seja legal comigo, alguém que eu sei que vai me fazer bem, alguém que eu possa dividir todas as coisas, alguém que tenha relações públicas, acho essencial. Alguém.. alguém como ... - lembrou das palavras de Sophia , embora não quisesse admitir a amiga tinha razão. - Alguém como você! - disse por fim.
Arthur se engasgou com o alimento.
- Eu? - disse tossindo.
- Sim a Sophia tinha razão, embora eu não goste de admitir.
- Como? Lua? Tá bem?
- Sim e então como vai ser?
- O que?
- Casa comigo? - perguntou rindo.
- Tá louca, só pode.
- Quem dera, embora eu não quisesse admitir isso e muito menos me casar com você,mas a Sophia tem razão você é o marido ideal, além de ser meu melhor amigo, iria me ajudar né? - perguntou rindo.
- Primeiro normalmente o homem que pede a mulher em casamento e segundo eu recuso o pedido.

- Qual é Aguiar? Você sabe como o quão humilhante, isso tá sendo pra mim, te pedir em casamento?.
- NãoLua. Eu não vou me casar com você.
- Lua você pirou só pode .. sempre soube que a Sophia não fosse uma boa companhia pra você.
- Arthur por favor. - suplicou- Eu não quero me casar com qualquer um. E ai Aguiar eu to desesperada, não dá pra mim arranjar em um mês um marido, por favor me ajuda. - só faltou se ajoelhar em frente de Arthur .
-Aguiar.. - sua voz saiu num fio.
- Não e acho que já deu desse almoço, desculpa. - saiu deixando Lua falando sozinha.
- Idiota. - resmungou.
Que maravilha! Queria matar Sophia, resolveu seguir seu conselho e bem o que conseguiu? Um marido? Não. Perder a amizade do seu melhor amigo? É provavelmente sim. Ótimo, estragou tudo. Idiota. Ah como era idiota, pensou.

Um comentário:

  1. oi sou arthur almeida do quevidameu para bem li e adoreeeeeei :)

    ResponderExcluir